Inclusão LGBTQIA+ no mercado de trabalho: quais desafios ainda são enfrentados?

Categoria(s): BETTHA & Cultura organizacional & RH
30 de junho de 2021
por Larissa Florindo

Se apresentar para o mercado como uma empresa que preza pela inclusão de pessoas LGBTQIA+ no mercado de trabalho significa que toda a sua cultura organizacional é inclusiva. Ou seja, não diferencia gênero, raça e opções particulares e valoriza quem está por trás de suas escolhas. 

Um dos maiores objetivos de qualquer organização é criar um local de trabalho que respeite a todos e que incentive a colaboração mútua. Nisso, podemos falar sobre a inclusão das pessoas LGBTQI+ na empresa.

Afinal, um ambiente harmonioso e empático evita qualquer tipo de discriminação e promove a inclusão, independentemente de raça, religião, nacionalidade, orientação sexual ou identidade de gênero.

E os motivos para estimular a inclusão de pessoas LGBTQI+  na empresa são diversos. O primeiro, é que a discriminação é ilegal. Portanto, qualquer prática ou atitude discriminatória deve ser coibida pelo RH e pelos líderes da organização.

Chegou a vez da diversidade!

Nos últimos tempo, organizações do mundo todo têm demonstrado mais interesse em promover a diversidade. Aliás, segundo o estudo levantado pela Human Rights Campaign (HRC), grupo de pesquisa e defesa LGBTQIA+, aponta que 83% das empresas Fortune 500 possuem políticas que proíbem a discriminação por identidade de gênero.

Entenda: a Fortune 500 é a lista da Fortune Magazine, com uma lista que inclui as maiores empresas da América. Agora, você quer uma comparação incrível? Em 2002, apenas 3% dessas empresas tinham as mesmas políticas.

Mas, infelizmente, ainda não podemos que tudo está resolvido. Muitas organizações ainda não são inclusivas ou não sabem como melhorar as dificuldades que as pessoas LGBTQIA+ enfrentam no mercado de trabalho. Por isso, separamos os principais pontos de atenção que você precisa conhecer para que a sua empresa seja muito mais diversa e humana. Confira:

Alguns dos problemas que as pessoas LGBTQIA+ ainda enfrentam no trabalho

  • Assédio: O assédio pode ser sexual ou moral. Nas duas formas, ele se torna um dos principais fatores de não-aceitação. Assim, as pessoas LGBTQIA+ sentem medo de se assumir e passam a gastar muito mais energia se blindando no ambiente de trabalho do que oferecendo o que têm de melhor à empresa.
  • Violência psicológica: Muitas vezes, pessoas LGBTQIA+ passam por situações humilhantes no mercado de trabalho, o que inclui atos de ameaça, humilhação e bullying. A ida ao banheiro, por exemplo, pode ser um momento tortuoso para uma pessoa transexual.
  • “Brincadeirinhas”: chamar um homem gay de “viado”, dizer que é um “desperdício” uma mulher ser lésbica ou usar apelidos constrangedores, são comportamentos inadmissíveis dentro e fora do trabalho. Logo, também não são tolerados em uma cultura diversa.

Primeiros passos para a criação de um ambiente de trabalho respeitoso

Conscientização é sempre a melhor ferramenta para trabalhar o respeito à diversidade. Além disso, é preciso garantir o cumprimento das políticas de não discriminação. Sem exceção!

Então, todos os funcionários devem, no mínimo, receber diretrizes claras para um comportamento adequado e respeitoso no local de trabalho. Você também deve avisá-los sobre as consequências do não cumprimento de tais políticas. Você pode, por exemplo, divulgar diretrizes de educação e promover treinamentos sobre identidade de gênero e não-discriminação de uma forma mais informal, por meio de breves discussões.

A composição do programa de treinamento, portanto, dependerá das circunstâncias que envolvem a sua empresa. Por exemplo: se algum gestor vê a contratação de uma pessoa LGBTQIA+ como algo fora do comum, é preciso instruí-lo antes de abrir um processo seletivo. Afinal, se a qualidade de vida e o bem-estar de seus colaboradores são importantes para o seu negócio, não deve existir qualquer tipo de discriminação antes de abrir suas portas a todos.

O que é fundamental incluir no treinamento?

  • Explique o que é identidade de gênero:
    Muitas pessoas desconhecem o significado da identidade de gênero – ou têm ideias erradas sobre o assunto. Portanto, é importante alertar que é com o gênero que a pessoa se identifica, independentemente do seu sexo biológico.
  • Destaque as consequências da violação das políticas inclusivas:
    O que acontece se um funcionário violar a política de não-discriminação? Certifique-se de treinar todos para que estejam cientes dos procedimentos disciplinares, caso não ajam de acordo com a inclusão de pessoas LGBTQI+ na empresa.

A importância de incluir pessoas LGBTQIA+ na empresa

Se alguns dos funcionários estão relutantes em aceitar a nova política, pode ser útil destacar os benefícios financeiros para a organização.

Isso ocorre porque a discriminação não apenas expõe os empregadores a processos judiciais caros, mas também prejudica você financeiramente de outras maneiras.

As empresas que mascaram a discriminação têm sua reputação manchada no mercado. Então enfrentam dificuldades em recrutar talentos e reter funcionários. E, como se sabe, a alta rotatividade é um sério problema para a manutenção da empresa. Isso pode dificultar a realização de novas parcerias e surpreender negativamente os seus clientes.

Conclusão

Mesmo que você não sinta na pele a dificuldades que as pessoas LGBTQIA+ enfrentam no mercado de trabalho, é nossa missão cuidar do bem-estar das empresas e, principalmente, das pessoas que trabalham nelas. Por isso, se informe, promova iniciativas inclusivas na sua empresa e abra espaço para diferentes perspectivas, histórias e perfis. E se precisar de ajuda para encontrar os melhores talentos diversos, conta com a gente!

Sua empresa tem políticas para inclusão de pessoas LGBTQI+? Compartilhe nos comentários e vamos discutir amplamente o assunto para combater o preconceito 🙂

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *