O que é microlearning e como aplicar essa técnica na sua empresa?

21 de janeiro de 2021
por Bruno Lima

Sempre falamos muito sobre a necessidade de um profissional se atualizar às novas tendências. Com especialistas em RH, não é diferente. E o microlearning é um bom exemplo de como fazer isso.

Microlearning é uma técnica que pode ser utilizada tanto para turbinar o aprendizado, quanto para melhorar a forma que se compartilha o conhecimento. Logo, é algo essencial para você e sua equipe.

Como o próprio nome já sugere, o microlearning é uma junção de duas palavras: “micro” e “learning”. Com “micro”, se entende que esse é um processo realizado de maneira ágil. Já o “learning”, do inglês “aprender”, aponta que esse conceito é uma forma de turbinar seu aprendizado. A tradução literal do conceito é “microaprendizagem”.

A técnica não só transmite a informação de forma mais objetiva, como também torna o processo de aprendizado mais rápido. Podemos usar como exemplo as pequenas videoaulas encontradas em plataformas como o Youtube e até mesmo no TikTok!

Esses vídeos, apresentados de forma mais enxuta e direta, unem uma transmissão de conhecimento precisa com a agilidade que os tempos modernos pedem.

Isso abre diversas possibilidades para os profissionais de recursos humanos. Um exemplo disso é a intranet da sua empresa. Um RH antenado nas tendências de microlearning é capaz de fazer uso desses espaços para capacitar sua equipe. Tudo isso, sem comprometer o tempo dos profissionais. Bem útil, não é mesmo?

O microlearning e outras metodologias de ensino

Mas o microlearning não é a única técnica conhecida no mercado. Existem muitas metodologias disponíveis, cada uma com suas vantagens e desvantagens. O ideal é que você não se limite à apenas uma. Analise quais são as necessidades dos seus colaboradores e escolha a mais adequada!

Aliás, você pode integrar esses métodos com o microlearning, potencializando seus resultados. Mas vamos chegar nessa parte mais tarde, ok?

E-Learning

Chamamos de e-learning o uso dos novos meios digitais para a transmissão de conhecimento. Por exemplo, estamos falando dos já mencionados vídeos de Youtube. Mas as possibilidades não param por aí!

O e-learning conta como diversas formas de aplicação, uma mais criativa que a outra. Um exemplo são aulas por meio de videoconferências e cursos em plataformas automatizadas. O importante nesse processo é fazer uso da tecnologia para potencializar o aprendizado.

E esse modelo é uma grande tendência, potencializada ainda mais pela pandemia do novo Coronavírus. Quem aponta isso é uma pesquisa realizada pela área de Inteligência de Mercado da Globo. Chamado “A Nova Realidade da Educação“, o levantamento apontou que 58% dos entrevistados passaram a ver o EAD de forma mais positiva nos últimos anos.

Mas isso não significa que não exista problemas no e-learning e o profissional de RH deve se atentar a isso. Dificuldade de conexão e falta de disciplina, são algumas das reclamações mencionadas pelos entrevistados.

Portanto, não deixe sua equipe desampara! De acordo com o educador e designer de aprendizagem, Eduardo Valladares, em um webinar realizado em 2020, é preciso fazer com que a educação digital seja mais humana. Ninguém quer aprender sozinho, se relacionando apenas com uma máquina.

Portanto, engaje sua equipe. Peça feedbacks, crie canais de comunicação onde os profissionais podem tirar dúvidas e compartilhar conhecimento. Assim, o e-learning se tornará uma ferramenta revolucionária para sua empresa.

B-Learning

Por outro lado, o b-Learning surge de “blended learning”. Esse é um termo muito similar ao e-learning, mas seus significados são bem diferentes.

O b-learning é capaz de unir o ensino à distância com o presencial. Por isso, ele é conhecido como um modelo de aprendizagem híbrido (ou “misto”).

Esse método também possui seus méritos. Ao mesmo tempo que ele faz uso das vantagens do e-learning, com maior independência nos estudos e variedade de formatos, ele também trás a sincronia entre agentes que uma educação presencial possui.

Em outras palavras, b-learning garante que tanto o aluno, quanto o educador estejam na mesma página. Isso facilita o processo de aprendizagem, pois garante o amparo necessário para o profissional que está estudando. Afinal, as dúvidas adquiridas no ensino digital podem ser trazidas para um ambiente presencial.

Assim, o aluno segue sendo o protagonista do seu desenvolvimento profissional. Com esse poder em suas mãos, ele é capaz de exercitar seu autoconhecimento e identificar suas necessidades e aspirações.

Mas esse método não foge de alguns perigos. O conteúdo precisa estar bem alinhado, de forma que aquilo experimentado no digital esteja de acordo com as experiências do presencial. Ambos ambientes de estudo precisam estar sincronizados.

Usar técnicas como a “gamificação” também é uma possibilidade. Caso você não conheça, gamificação consiste no uso de mecânicas de jogos para engajar os estudantes. Um exemplo clássico disso são o quizes, mas você não precisa se limitar à isso. O céu é o limite!

Com o uso de técnicas como a gamificação, aproveitamos o máximo do b-learning. Essas plataformas se tornam complementares ao ensino clássico, colocando em prática todo o conteúdo que foi adquirido.

Os meios digitais são uma alternativa para o aprendizado de qualidade. Aplique junto ao microlearning!

Pílulas do Conhecimento

Assim como as pílulas “de verdade”, as pílulas do conhecimento são capazes de dosar a informação em um volume que seja mais assimilável para o profissional. Ou seja, elas transmitem o conhecimento de forma breve, dando ênfase para a objetividade do conteúdo.

Mas vamos evitar confusões! Quando falamos em transmitir brevemente um conteúdo, não estamos falando de fracionar todo um tema em pequenas doses. É importante ter em mente que as pílulas de conhecimento são conteúdos completos e independentes. Uma pessoa que quer aprender uma determinada posição de yoga, por exemplo, vai achar toda explicação necessária em apenas uma aula.

Essa é uma forma poderosa de potencializar o treinamento corporativo da sua empresa. Quando usa esse formato, você torna o aprendizado mais rápido, objetivo e prático. E todos sabemos que, no mundo atual, a velocidade e qualidade sempre precisam andar juntas.

Novamente: esse também não é um método infalível. Alguns tipos de conteúdo podem “não cair bem” com essa técnica. Tenha muito cuidado com o meio de transmissão da informação. Caso o contrário, o tiro pode sair pela culatra e você irá deixar sua equipe cada vez mais confusa.

Integrar as pílulas de conhecimento com as outras técnicas já mostradas aqui pode ser uma forma de contornar esse problema. Imagine esse conteúdo como uma forma de reforçar um conteúdo previamente ensinado. Ou uma forma de aprofundar mais informações sobre um tema já conhecido pelo profissional.

Onde o microlearning entra nessa história?

Como falamos, algumas das técnicas já apresentadas podem ser aplicadas juntamente ao microlearning. Mas não imagine esse método exclusivamente como algo complementar às outras metodologias. Ele possui características específicas, que podem (ou não) ser assimiladas com os outros modelos.

O destaque do microlearning é a transmissão de informação de uma forma mais objetiva e direta, conforme explica um artigo publicado pelo Centro SEBRAE de Educação Empreendedora.

Resumidamente, essa metodologia separa determinado conhecimento em pequenas lições, com durações entre 2 e 5 minutos. Ao contrário das pílulas de conhecimento, a ideia é que tais lições não englobem todo o conteúdo. Muito pelo contrário. Elas fracionam um tema em pequenas “etapas”.

É fácil entender a lógica por trás disso. Pegamos um tema complexo e o fatiamos, de forma que cada lição represente uma pequena fatia desse “conteúdo total”. Assim, o profissional pode aprender, esclarecer suas dúvidas e fazer exercícios antes de partir para assuntos mais difíceis. Então, fica mais fácil aprender, não é mesmo?

Primeiro, o microlearning facilita a absorção da informação. Afinal, ele é, ao mesmo tempo, objetivo e específico. Por outro lado, o microlearning também pode ser utilizado para criar estruturas personalizadas de acordo com as dificuldades de cada um.

Supondo que um profissional tenha dificuldade em determinado assunto, que ele inclusive já aprendeu. Um novo curso pode ser elaborado com base em suas necessidades.

Quais são os benefícios do microlearning para as empresas?

Já falamos de todos os benefícios que ele pode trazer para sua equipe. Mas e para sua organização?

Primeiro, com o microlearning os cursos passam a ser mais baratos de se produzir e mais rápidos de se atualizar. Afinal, com a grande modularidade desses cursos, é possível produzir novos conteúdo de forma muito mais simples. Dessa forma, um material novo e atualizado pode chegar em questão de horas (ou até mesmo minutos) nas mãos da sua equipe!

Além disso, essa técnica garante que o tempo seja otimizado. Assim, evitamos que os colaboradores gastem horas em um curso, por exemplo. Assim, mais cursos podem ser disponibilizados – e, como consequência, a equipe estará cada vez mais capacitada. Por outro lado, os profissionais também vão dispor de mais tempo para fazer o que realmente importa: gerar valor para a organização.

Explore suas possibilidades! Modalidades híbridas de ensino podem ser utilizadas junto ao microlearning.

Como aplicar o microlearning na sua organização?

Gostou dessa metodologia? Estranho seria se você não gostasse!

Agora, você deve estar imaginando: “como posso aplicar o microlearning na minha empresa?” Mas não se preocupe, esse processo não é difícil. Preparamos algumas dicas que podem te ajudar nesse processo.

Mas lembre-se: é interessante que educadores e profissionais especializados em tecnologia acompanhem esse processo. Afinal, nada supera o conhecimento técnico e específico no assunto!

Escolha o tema do seu curso

Isso pode parecer algo bem básico para você, mas existe mais complexidade do que se pensa. O tema do curso irá determinar o ritmo de todo seu trabalho. Portanto, escolher ele de forma leviana pode colocar todo seu esforço em risco.

Fale com sua equipe e entenda as necessidades dela. Qual conhecimento está fazendo mais falta no cotidiano? Como seus colaboradores achariam mais confortável de consumir esse conteúdo? Essas questões vão definir os alicerces do seu trabalho. Então, as estude com cuidado.

Divida seu conteúdo em partes pequenas

Na sequência, com o tema do trabalho definido, você deve analisar o conteúdo e ver como ele pode ser dividido. Lembre-se sempre de valorizar a agilidade do curso! 

Cuide para que o conteúdo seja objetivo e linear. Sempre que for possível, coloque seus conteúdos dentro de 2 a 5 minutos de duração, seja em vídeo ou leitura. Além disso, a linearidade também é importante nesse processo. Cada sessão precisa estar interligada com a outra, ao mesmo tempo que elas precisam ser individualmente completas.

E lembre-se, o microlearning é para casos específicos. Então, não force sua aplicação para temas que não dá pra ser direto. Afinal, o importante é ter um bom curso.

Adote uma ferramenta online

Como o microlearning trabalha com um método ágil e objetivo de ensino, nada melhor do que uma ferramenta que permita esse aprendizado de uma forma dinâmica. As ferramentas online aparecem como a forma perfeita de se fazer isso.

O motivo? Elas permitem maior independência durante o aprendizado, gestão de tempo mais precisa e mais flexibilidade. Sem contar que algumas plataformas permitem que você acompanhe o desenvolvimento dos alunos. Dessa forma, fica mais fácil identificar lacunas e dificuldades na aprendizagem, permitindo customizar os treinamentos de forma que suprem melhor as necessidades do profissional.

Apresente em formatos de conteúdo diferentes

Essa é uma ótima oportunidade de aplicar os outros conceitos que já vimos anteriormente. É possível imaginar um modelo híbrido? É possível aplicar alguma outra técnica, como a gamificação, para potencializar a absorção desse conteúdo? O céu o limite! Explore, descubra e inove. Sua equipe vai te agradecer.

Só existe uma regra: busque criar um curso flexível e capaz de atender a demanda de todos. A educação precisa ser democrática, e você é o agente de mudanças para que isso aconteça.

Aqui do Grupo Cia de Talentos, o Bettha é a principal plataforma de desenvolvimento e o melhor exemplo de sucesso do microlearning. Com as Jornada de Conhecimento, construímos conteúdos relevantes para os jovens e colaboradores de grandes empresas e o resultado é melhor a cada ano. Quer saber mais sobre como podemos apoiar o desenvolvimento dos seus colaboradores através do microlearning? Conheça nossas soluções e descubra processos muito mais tecnológicos e eficientes.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *