Assertividade no processo seletivo: 6 dicas para aumentar a sua

3 de dezembro de 2021
por Larissa Florindo

A assertividade no processo seletivo é sem dúvida um dos maiores desafios que os profissionais de RH têm dentro da empresa. Contratar bem é um grande diferencial para que a organização se destaque e alcance bons resultados.

Para minimizar as chances de erro na contratação, existem práticas que garantem mais assertividade no processo seletivo.

Assim, é possível atrair os candidatos ideais e ter maior precisão no processo. Isso reduz despesas com um possível aumento da rotatividade, além de aumentar a produtividade e o desempenho da equipe. Afinal, escolhas mais assertivas significam contratar pessoas aderentes à cultura e aos valores da empresa.

Para ajudá-lo nessa rotina desafiadora, separamos as principais dicas para aumentar a assertividade no processo seletivo para que você não cometa erros na hora de contratar

1. Entenda o perfil da sua vaga

O primeiro passo para ter mais assertividade é saber do que a sua empresa precisa. Não adianta ter as melhores ferramentas se não houver, desde o começo, clareza sobre qual é a posição que está aberta, quais serão as tarefas, responsabilidades e qual o perfil esperado.

Por isso, é importante que o RH mantenha contato próximo com os líderes para entender essas questões antes mesmo de abrir a vaga e procure ferramentas que o ajudem a entender quais os valores e atitudes aderentes à cultura da empresa. Isso vai interferir, inclusive, na própria descrição da vaga e em escolhas como onde as vagas serão anunciadas.

2. Anuncie suas vagas nos lugares certos

Hoje, a internet tem um grande poder diante das empresas e com de uma geração que está constantemente conectada. No entanto, não adianta anunciar vagas em qualquer site. Ele precisa ter a cara e a linguagem do público com o qual você quer se conectar.

Não é à toa que algumas plataformas de processo seletivo, como o Bettha.com, fazem um trabalho com a marca empregadora para determinar como as vagas serão divulgadas. Tudo precisa conversar com o público alvo: desde a linguagem do anúncio até a forma como vão correr as etapas do processo seletivo.

3. Estruture a entrevista

A entrevista realmente precisa ser uma das formas que mais traz assertividade no processo de seleção. E hoje a construção de uma boa entrevista vai além de uma simples conversa.

A entrevista estruturada não só coloca o profissional frente a frente com a empresa, mas pode ser fundamental para entender como aquela pessoa poderia se encaixar ou não na cultura da empresa.

E essa análise, baseada em entrevista estruturada, pode ser feita com testes técnicos, dinâmicas ou simulações de situações. Assim, é possível avaliar as competências e prever reações e comportamentos futuros do colaborador em relação à empresa.

4. Avaliações de conhecimento técnico

O currículo pode falar muito sobre o funcionário, mas apenas uma prova técnica pode realmente comprovar as habilidades do profissional.

Por isso, as empresas podem evitar erros no processo de seleção realizando uma avaliação técnica do profissional. Isso pode ser feito por meio de testes de conhecimento que se referem à vaga oferecida.

Um teste de conhecimentos técnicos pode ser a chave para ajudá-lo a escolher o perfil ideal, com as competências necessárias para preencher uma vaga específica.

5. Analise as competências

Avaliar as competências, sejam elas comportamentais e sociais (soft skills) ou técnicas (hard skills), é fundamental para que o RH tenha assertividade na contratação.

No caso das soft skills, são interpretadas como competências mais subjetivas que serão percebidas no dia a dia da empresa. Isso porque se apega a questões como ética, persuasão, resiliência, trabalho em equipe, entre outros.

Em hard skills é mais fácil quantificar, pois são habilidades aprendidas na escola, faculdade e outras experiências profissionais. Por exemplo, fluência em qualquer idioma, domínio de um programa como Photoshop etc.

Já as soft skills podem ser avaliadas por meios dos assessments. Eles são uma ferramenta completa para analisar, de forma profunda e automatizada, os perfis comportamentais das pessoas e entender seus valores, estilos de tomada de decisão e preferências de trabalho. Os assessments usados no Bettha, por exemplo, são fundamentais para garantir o match perfeito entre vaga e candidato. Eles ajudam, ainda, a eliminar vieses inconscientes e tornam a decisão mais acertada.

6. Crie dinâmica de resolução de problemas

O problema faz parte do dia a dia de todos. Pessoal e profissionalmente. Quem não consegue lidar com eles tem dificuldade de se desenvolver e, principalmente, de manter uma alta produtividade.

Por isso, uma das técnicas utilizadas no processo seletivo é a resolução dinâmica de problemas . Existem várias maneiras de testar a capacidade do funcionário de lidar com problemas.

Seja apresentando um suposto problema e pedindo opções que conduzam à sua solução. Ou ainda com dinâmicas que instigam a habilidade do profissional em resolver um problema.

Conclusão

Em um mercado repleto de profissionais em busca de oportunidade, selecionar o “Candidato perfeito” não é uma tarefa fácil. Porém, quem adota certas técnicas, como as apresentadas acima, pode minimizar as chances de erro e garante melhores resultados de negócio no longo prazo.

Se você quer conhecer uma plataforma que traz uma solução completa para trazer assertividade para o seu processo, não deixe de conferir o Bettha.com.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *