Por que você deve conhecer o organograma funcional

Categoria(s): Cultura organizacional & RH
13 de janeiro de 2022
por Evelim Wroblewski

Organograma é uma representação gráfica das diferentes relações que existem entre funções, departamentos, equipes e cargos de uma empresa. 

Nele, os colaboradores e seus respectivos cargos são representados por figuras como caixas ou outros tipos de formas. Além disso, estas células também podem conter outras informações, como e-mails, ilustrações, links, etc. 

Um organograma pode ter diversos usos, mas o principal deles é definir os vínculos dentro de uma organização e garantir que todos saibam como operar sua cadeia de comunicações. 

Uma curiosidade sobre este modelo de estrutura organizacional: ele surgiu ainda no século XIX, na Revolução Industrial, quando cada trabalhador tinha, por exemplo, a função de instalar uma só peça na hora de fabricar um produto. 

De lá, até hoje, esta representação continua fazendo parte de nossas rotinas profissionais como uma espécie de mapa. Melhor dizendo: é um tipo de roteiro, no qual a lógica de funcionamento corporativo é percebido de forma visual. 

Para que serve um organograma?

Além da representação visual do funcionamento de uma organização, um organograma tem outras funções que devem ser observadas. 

Por exemplo, na comunicação organizacional e na hora de supervisionar os trabalhos, o organograma funcional ajuda os funcionários a entender seu lugar na organização e com quem eles têm vínculos diretos e indiretos.

Mas os organogramas funcionais também são úteis para momentos onde há troca de funções e reestruturação das equipes. 

Outra função prática pode ser a identificação de gaps de talentos, quando algum departamento está descoberto em alguma de suas necessidades e até mesmo em relação à diversidade nas empresas.  Ou seja: quando sua organização estiver planejando sua força de trabalho. 

Também pode ser que vocês identifiquem a redundância de profissionais na organização. Neste caso, o organograma funcional ajuda a repensar os recursos.

Finalmente, algo que vocês podem fazer é usar a foto e o nome dos profissionais na hora de criar seu organograma funcional. Isso facilita a identificação das pessoas e cria um sentimento de comunidade. 

A existência de um organograma não implica necessariamente em uma estrutura rígida. As organizações também podem pensar em organizações mais fluídas, com formações livres. 

Há empresas que usam estruturas ágeis e práticas adaptáveis, como você pode observar neste artigo da SHRM, uma empresa americana de Recursos Humanos. 

De uma forma ou de outra, o mais importante é alinhar a estrutura de funcionamento com as estratégias do negócio. 

Tipos de organograma funcional

Dentro de todos os tipos de organogramas, apesar de terem o mesmo propósito, sua empresa pode criar um tipo específico, chamado de organograma funcional.

Neste, ao invés de relações hierárquicas, o que se representa são as relações funcionais entre os cargos existentes. Ou seja, na prática, esse recurso define quais são os colaboradores que existem em todos os departamentos, principalmente em relação às suas especialidades e funções. 

E, dentro dos organogramas funcionais, você pode criar diferentes formatos de estrutura. 

O melhor formato vai depender das necessidades específicas de seu negócio, da estrutura da sua organização e até mesmo da sua cultura organizacional. Você vai encontrar muitas variações, mas as principais são:

Organograma hierárquico

O mais comum, e que ilustra as relações de poder de cima para baixo, do maior ao menor. 

Por exemplo, o CEO de uma companhia é o cargo de maior importância, e, abaixo dele, serão listados todos os demais. 

O organograma costuma representar as comunicações no sentido de para quem as pessoas reportam os trabalhos e quem são os profissionais que reportam a elas. 

Organograma Matricial

Organizações com mais de um gerente podem ser melhor representadas neste modelo. 

Digamos que seu negócio tem uma linha de criação de produtos que está subordinada ao designer chefe. Mas os mesmos designers podem também trabalhar em projetos que impliquem subordinação a outros departamentos. Assim, os designers terão mais de um gerente. 

Organograma Plano

Também conhecido como organograma horizontal, é útil para organizações que têm poucos gerentes ou não contam com essa função entre seus quadros. 

Bastante simples, costuma descrever o funcionamento de um negócio em poucos níveis: representa os chefes e seus subordinados diretos.

Em organizações nas quais os funcionários costumam participar das decisões e tenham múltiplas responsabilidades, é o modelo mais apropriado. 

Organograma circular

Também conhecido como organograma radial, tem como elemento central o cargo de maior hierarquia. A partir dele, ramificam-se os departamentos e funções da organização. 

Este formato é um dos mais interessantes quando se busca chamar a atenção visualmente. O uso de cores, na medida em que as funções se afastam do centro, também dá ainda mais destaque para o conjunto. 

Em comum em todos os modelos que descrevemos acima, algo a levar em conta na representação visual dos vínculos existentes em uma empresa é como o desenho em si é feito. 

Como as relações são descritas com quadros e linhas, você pode ter linhas completas, quando a relação for direta, ou usar linhas tracejadas, quando houver vínculo indireto. 

Como fazer um organograma funcional

O que não falta são ferramentas para sua organização criar um organograma funcional rapidamente, sem complicações e com qualidade visual. 

Você pode, por exemplo, usar o LucidChart, o Canva, o Excel ou até mesmo o PowerPoint do Windows. 

Mas, independentemente da ferramenta, o melhor é começar fazendo uma listagem de todos os cargos existentes em sua empresa. Para isso, uma simples folha de papel já é mais do que suficiente. 

Comece de cima para baixo, liste as funções e os subordinados a elas. Você pode tanto fazer uma lista única, se seu modelo organizacional for mais simples, ou criar listas paralelas e depois organizar tudo na ferramenta escolhida. 

De fato, não importa o tipo de organograma ou onde ele foi feito: o mais importante é fazer com que toda a cadeia de relacionamentos de sua organização fique clara. 

Assim, você garante que todos saibam a quem recorrer na hora de comunicar as informações essenciais de sua rotina de trabalho. 

Sua organização já tem um organograma funcional? Esperamos que, depois do artigo de hoje, seja uma das coisas que seu RH vai começar a desenvolver hoje mesmo. 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *