Marca empregadora: desvendando a Matrix

15 de janeiro de 2021
por Alanis

Engana-se quem pensa que Employer Branding tem como único ganho a aquisição de talentos. O branding do empregador pode trazer outros benefícios, como consolidação de Employee Value Proposition (o que a organização propõe de valor a seus colaboradores) e também o desenvolvimento da liderança em marca empregadora para otimizar toda a experiência dos colaboradores de uma organização. Afinal, não é vantagem alguma atrair talentos sem conseguir oferecer razões para inspirá-los e retê-los. Por todos estes motivos, é possível garantir que Employer Branding não é uma função do marketing ou do RH e, sim, de todo o negócio.

Organizações bem-sucedidas neste sentido vão garantir alguns elementos cruciais:
Que as lideranças sejam desenvolvidas em marca empregadora, para viabilizar uma boa gestão da experiência do colaborador, da atração até sua saída da empresa;
Oferecer ambientes que possibilitem times multifuncionais e variados vínculos de trabalho, abrindo espaço para a pluralidade profissional;
Adotar um modelo de negócio e uma estrutura organizacional que seja suficientemente ágil para navegar no oceano VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo) e que permita um ambiente de confiança e aprendizagem constantes;
Uma abordagem estratégica para a marca empregadora.
Basicamente, trata-se de um modelo de negócio e estrutura organizacional que oferece uma experiência de marca que traz para perto pessoas que desejam dedicar suas habilidades e capacidades para clientes que passam a desejar comprar seus produtos e serviços. A conexão emocional que as pessoas têm com as marcas está se tornando cada vez mais presente e a escolha por uma oportunidade profissional ou pela compra de produto ou serviço cada vez mais são pautadas nessa conexão e nos entregáveis subjetivos que essa escolha trará.

Gestão de marca empregadora passa por comunicar o que a empresa oferece aos colaboradores e como eles vêm valor nisso, ou seja, o que é comunicado é uma extensão do que é vivenciado no dia a dia de trabalho da organização. Esta é a premissa para gerir marca empregadora. Quem não se lembra da campanha Go Places, da Heineken? É uma ótima referência de como o foco na experiência com a marca pode fazer toda diferença no modo como as pessoas se relacionam e se conectam com ela.

Como a pauta é grande, em breve, vou te contar de onde vem a marca empregadora.
Até lá!

Ligia Oliveira é Consultora na Cia de Talentos e atua com projetos de marca empregadora e no projeto Jornada para o Futuro!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *